O que são células tronco

As células tronco (CT) são células indiferenciadas capazes de gerar células idênticas em um processo conhecido como self-renew e se diferenciam, quando estimuladas, em células de várias origens. Quando ocorre o processo de diferenciação, as CT vão gerar as células progenitoras, que, por sua vez, darão origem às precursoras, que por fim, formarão as células diferenciadas específicas de cada tecido (Figura 1).

As CT podem ser classificadas de acordo com o potencial de diferenciação em totipotente, pluripotente ou multipotente(Figura 2) e quanto a sua origem em embrionária, adulta e célula de pluripotência induzida (iPS) (Figura 3).

Figura 1. Processo de diferenciação celular. Célula tronco originando 5 tipos de células diferenciadas: (a) adipócito, (b)neutrófilo, (c)fibra muscular, (d) condrócito e (e) osteoblasto.

 

Potencial de Diferenciação das Células Tronco:

Células tronco totipotentes

As CT surgem após a fecundação, no momento que o zigoto começa a se multiplicar. Da formação do zigoto até a sua transformação em mórula, as células são consideradas totipotentes, o que significa que podem gerar qualquer célula do indivíduo e dos anexos embrionários (estruturas que derivam do folheto embrionário, mas não fazem parte do corpo do embrião, dentre elas o saco vitelínico, âmnio, córion e alantóide).

Células tronco pluripotentes

Quando ocorre a entrada de líquido na mórula e suas células são separadas em internas e externas, forma-se o blastocisto. As células internas do blastocisto são classificadas como pluripotentes e possuem a capacidade de se diferenciar em qualquer célula do indivíduo, mas não nos anexos embrionários.

Células tronco multipotentes

Após a formação do blastocisto, ocorre a diferenciação dos folhetos embrionários em endoderma, mesoderma ou ectoderma. As células constituintes desses folhetos são classificadas como multipotentes e têm capacidade de se diferenciar em alguns tipos celulares, dentre elas as mesenquimais, neurais e hamatopoiéticas.

Figura 2. Células tronco classificadas quanto ao seu potencial de diferenciação.

Origem das Células Tronco

São consideradas CT embrionárias aquelas presentes nas fases de zigoto até blastocisto. Elas são toti ou pluripotentes e são retiradas do embrião fertilizado in vitro.

As CT adultas são formadas durante o processo de gastrulação e são divididas, geralmente, em hematopoéticas e mesenquimais.

As CT hematopoéticas são multipotentes e formam as células sanguíneas. Elas estão presentes no sangue periférico, porém em proporção muito menor do que na medula óssea, o que demanda mais complexidade na sua obtenção. Além disso, elas também são encontradas no fígado fetal e no sangue do cordão umbilical.

As CT mesenquimais são encontradas em diversos locais do organismo, dentre eles na medula óssea, pele, cordão umbilical, líquido amniótico, sangue periférico, vasos sanguíneos, coração, tecido adiposo, córnea, retina, sistema nervoso central e periférico, trato gastrointestinal, pâncreas, placenta, músculo esquelético, fígado, pulmão e membrana sinovial. Elas têm morfologia semelhante a fibroblastos, realizam auto-renovação e são capazes de se diferenciar em várias linhagens relacionadas ao mesoderma, como por exemplo osteoblastos, adipócitos e condrócitos.

A CT de pluripotência induzida (iPS) é uma célula pluripotente originada da reprogramação das CT adultas por meio da incorporação de fatores de pluripotência expressos pelas CT embrionárias ou por meio da transdução retroviral (Figura 3). Alguns desses fatores são o c-Myc, que induz a proliferação e garante a imortalidade das células, o Klf4 responsável por suprimir a apoptose e senescência das células e o Sox-2, que inativa o fator tumoral presente no genótipo.

Figura 3. Células tronco classificadas quanto à origem.

Autores:
Yasmin Emilia Rodrigues da Luz
Tanara Kelly Dias Melo
Profa. Natália Melo Ocarino
Profa. Rogéria Serakides

Anúncios